Skip to content

O TFL acabou? (Nosso último post)

27/04/2015

Não! Ufa. Já deixa eu começar respondendo à pergunta do título: o TFL não acabou. Mas, mudou.

Já havia um tempo que eu queria mudar, melhorar… Servir e amar melhor cada um de vocês.

  • Novo nome

Primeiramente eu sentia que havia uma necessidade de ter um nome em português, afinal de contas eu escrevo – e pretendo continuar escrevendo – para brasileiros. Fiquei muito tempo pensando até chegar ao nome que foi escolhido: Graça em Flor. E para explicá-lo é preciso explicar também as mudanças e novidades que Deus tem feito dentro do meu próprio coração…

  • Nova visão

Quando comecei o TFL eu queria que ele fosse um canal de bençãos, de maneira que eu pudesse passar para vocês o que eu aprendia. E pouco a pouco Deus foi me mostrando uma nova visão: Ele não quer que eu passe o que sei. Ele quer que eu compartilhe ao invés de ensinar, que eu diminua enquanto Ele cresce, que eu me permita ser vulnerável enquanto escuto atentamente à vulnerabilidade de vocês – por isso os textos e vídeos serão mais honestos, mais sinceros. Quero permitir que vocês vejam minhas falhas enquanto escuto a de vocês e assim a graça de Deus poderá florescer em nós! Nascer em nós! (Entenderam? Graça em Flor? rs)

E por isso a palavra GRAÇA. É isso que eu quero! Quero um fluir da graça dEle nessa nova comunidade que quero criar. Quero que o novo blog seja mais aberto… Um lugar seguro onde nós poderemos, como irmãos, nos abrir e permitir que o perdão e a aceitação reinem. Que a mudança ocorra! Quero ouvir mais do que falo! Quero que vocês compartilhem comigo o que pensam e sentem! Quero que cada leitor seja não um número de visita ou uma curtida no Facebook, mas uma pessoa, um (a) irmão (ã), a quem quero amar e servir, enquanto sou amada e servida. E não é isso que Ele quer de nós? Que sejamos CORPO?

  • Novo design e formato

Como vocês sabem eu gosto muito da revista SetApartGirl. Uma das coisas que mais gosto é como ela trata de tudo, desde estudos bíblicos até receitas e estilo de vida. E é esse novo formato que quero para nós. Se a vida cristã não se restringe só à igreja então não quero que esse blog se restrinja só a estudos bíblicos. Quero que Cristo possa estar em cada atividade, sonho, palavra e respirar de nossas vidas.

O novo design foi feito pelo meu namorado, e eu sou muito grata a Deus por ele e pela forma que ele conseguiu captar todas as minhas novas ideias, transformando tudo em beleza visível.

  • MESMO objetivo

As mudanças vieram e senti a necessidade delas. Quero que vocês me acompanhem, quero sinceramente conhecer vocês, amar vocês… Quero ver a Graça florescendo em nós! Mas, apesar das mudanças, o meu objetivo é, e sempre será, o mesmo: glorificar a Cristo e servir à Sua Igreja.

Estou tão animada! E também cheia de novas ideias! Por isso, fiquem atentos lá porque nessa primeira semana teremos um novo post todo dia!

E é claro que para comemorar tudo isso nada melhor do que um sorteio! É facinho participar: basta curtir a página desse novo blog no Facebook e compartilhar a imagem do sorteio.

 

#VLOG – Conversando com as Moças: Tornando-se uma mulher forte

08/04/2015

Há alguns meses assisti a um vídeo da Mary Kassian falando em uma conferência sobre os 7 hábitos que tornam uma mulher fraca e que devemos abandonar se quisermos ser fortes em Cristo (e por Cristo). Foi tão impactante para mim que quis fazer um vídeo resumindo a mensagem dela para abençoar vocês, como me abençoou.

Vamos ver?

O dia que eu descobri o que faltava no meu namoro

10/03/2015

Senta que lá vem um post sincero. Nessa nova fase do blog quero começar a fazer mais posts assim, onde exponho minha fragilidade e vocês comentam sobre a de vocês, e aprendemos juntos. Quero que essa página seja um lugar seguro, onde pecadores imperfeitos e quebrados têm a oportunidade de aprender uns dos outros, pela Graça que Ele nos deu.

couple
[imagem daqui]

Namoro à distância é difícil. E fica ainda mais complicado quando a distância no caso é de 9363 quilômetros. Tudo piora quando chove e a conexão da internet fica péssima, e tudo que a pessoa diz no Skype parece estar saindo da boca de um robô… Foi numa situação dessas, num domingo de dia da mulher, que eu comecei o processo de entender o que faltava no meu namoro.

Eu já andava me sentido sozinha. É complicado ver um mundo ao redor, o mundo ao qual você pertence, que não tem aquela pessoa especial. Parece que um pedaço da sua alegria, uma cor da sua vida está faltando. Nesse clima já triste foi que eu vi o dia da mulher chegar. Enquanto todas as minhas amigas e conhecidas recebiam homenagens dos seus amados eu me vi sem nem mesmo um parabéns (veja como a sutileza de um primeiro pecado – inveja – levou a outros rapidinho…) A noite chegou, a conversa no Skype começou e, casualmente, eu deixei o assunto brotar: hoje é dia da mulher né?
Não teve parabéns. Teve uma discussão política de por que surgiu um dia da mulher e por que comemoramos o simples fato de alguém ter nascido com os cromossomos XX ao invés de XY. A verdade é que, onde ele mora, o dia da mulher não é um feriado que as pessoas levem tão a sério quanto acontece aqui. Ele nem sabia que existia. E ele estava sinceramente tentando entender… Mas, é claro que eu, no auge da minha linha de pecados que estavam já formando uma bola de neve (inveja, carência, mania de assumir algo sobre os outros sem ouvir deles mesmos), já tomei aquilo como ofensa e disse que preferia cortar a conversa ali.

Ele, que só queria ter conversado e resolvido e eu, que queria que ele lesse meus pensamentos (via Skype) e entendesse que eu fiquei magoada e porquê. Mas eu não sei ler pensamentos!, ele disse. E foi aí que a ficha começou a cair… Quer dizer que eu tenho que falar tudo que tô sentindo? Quer dizer que, quando algo me magoa, eu preciso contar para ele ao invés de assumir que ele já entendeu? Quer dizer que eu devia ter perguntado: você está sinceramente tentando entender a importância desse feriado por aqui ou só tá tentando ser muito insensível? E, pior de tudo, quer dizer que, se eu tivesse perguntado, ele teria respondido que estava sendo sincero em suas dúvidas, e eu teria entendido, e nós teríamos poupado todo esse drama?! Quer dizer, não pode ser tão simples assim! Ou pode?

A verdade é que, nós mulheres, temos essa tendência de achar que os homens precisam ler nossas mentes. Céus! Se eu tivesse entendido antes o poder de um canal aberto de comunicação! Torna tudo tão mais fácil e leve!

Ainda outro problema era o medo que eu tinha de contar o que estava sentindo e ser julgada ou condenada como errada, caso dissesse sempre o que penso. Até que eu entendi: ele não tem problemas com meus problemas. Ele tem problemas com o que eu guardo pra mim ao invés de compartilhar com ele. Quê? É simples assim? Se eu contar, se eu me abrir, ele vai me escutar e me amar e me ajudar? Quer dizer que eu posso me abrir? Ser eu mesma, sem máscaras?

Há leveza na sinceridade. Há poder em falar a verdade em amor. Há poder em confessar quem você é sabendo que existe aceitação e existe graça. Muito mais do que a graça e amor que recebo daqueles ao meu redor, há uma Graça profunda, incompreensível, que aceita e perdoa e, acima de tudo, modifica. Transforma.

Ah! Se eu tivesse entendido antes a cura que existe em ser sincera. Sincera sobre suas próprias falhas, dúvidas, dificuldades. Ouvir o que os outros dizem sem julgar, sem condenar, sem assumir que foi pra me magoar. Perguntar antes de tirar conclusões… São coisas tão simples e pequenas que me fizeram entender: é assim que um relacionamento deve ser.

E agora tudo é mais leve. É mais calmo. É mais honesto.

Pensa nisso… Aprenda com meus erros. Vai ver é isso que faltava no teu namoro também: um canal aberto de comunicação, de perdão e de graça. Entre você e ele, e talvez até mesmo entre você e Deus.

Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.

Em Cristo,

Sem erros

31/01/2015

Retirado com permissão de http://setapartgirl.com/devotional/08-24-14/no-mistakes

Escrito por Elsje Zornes – Traduzido por Francine Veríssimo

___________________________________


[Imagem retirada daqui]

Um dos meus momentos favoritos do [livro] Anne de Green Gables é quando Anne diz para Marilla, “Não é bom pensar que amanhã é um novo dia sem erros nele?”. Eu amo porque é um pensamento tão simples, e ainda tão profundo quando visto pela luz do perdão adquirido por nós pelo sangue de Cristo.

Às vezes nós vivemos na sombra da culpa e da vergonha dos nossos erros e pecados do passado ao invés de simplesmente acreditar que, em Cristo, nós fomos completamente perdoados e libertos. Nós permitimos que pecados do passado sejam um empecilho para nossa intimidade com Jesus. Eu tenho percebido que quando eu permito que a voz da culpa sussurre para minha alma, eu termino me afundando em derrota e meditando em tudo que eu fiz errado, o que me leva a uma perspectiva auto-centrada e não a uma existência cristocêntrica.

Como cristãos, nossos pecados foram efetivamente apagados pelo poderoso e purificador sangue de Cristo. Ele nos pede para que meditemos não nos nossos pecados e falhas, mas que olhemos para Ele e recebamos o perdão que Ele nos deu através de Sua morte.

O inimigo amaria manter sua mente ocupada com lembranças de seus pecados passados, mas a verdade é que, se você se arrependeu, Deus não se lembra deles. Na verdade, Ele diz em Sua Palavra que: “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro” (Is. 43.25). E, em Hebreus 8:12: “Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, e de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais.

Viver uma vida focada no pecado é como tentar correr uma maratona com um peso de 100 kg amarrado à sua cintura. Só te atrasa e, eventualmente, te faz desistir de correr. Mas, quando escolhemos fixar nossos olhos em Cristo, o Autor e Consumador da nossa fé, e considerar como verdade que “vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim” (Gl. 2:20), podemos correr a corrida com resistência e vitória. Não pelas nossas próprias boas obras, mas pela vida perfeita de Cristo.

Ao invés de permitir que o pecado (ou a memória do pecado) reine sobre seu corpo mortal (cf. Rm. 6:12), escolha pensar em coisas que são verdadeiras, amáveis, puras, nobres e dignas de louvor (cf. Fp. 4:8). Encare cada novo dia com a verdade que Ele removeu seus pecados e os afastou tão longe quanto o Ocidente está do Oriente (cf. Sl. 103:12) e que hoje é um novo dia, porque sua vida foi redimida e resgatada pelo sacrifício de Jesus!

Amar melhor, minha resolução para 2015

31/12/2014


[Créditos da imagem: http://fashionplaceface.com/heart-tumblr-photography]

Em 2010 eu fiz um post sobre minha resolução para 2011: enxergar com o coração. Isso quer dizer que eu queria aprender a julgar menos pela aparência, enxergar as pessoas pelo que elas eram em essência em contraste com o que elas são em matéria física. Eu quero pensar que aprendi e cresci nesse aspecto, apesar de estar ainda muito distante da perfeição na área de fechar os olhos e enxergar com a alma.

Mesmo assim, tendo ainda aquela resolução meio que pendente, gostaria de fazer uma nova resolução para o novo ano que vai começar. Quero aprender a amar melhor. Entenda que amar melhor se difere de amar mais. Quero também amar mais, conhecer mais gente, expandir minha comunidade. Mas, mais do que isso, quero amar melhor. Reconhecer quem eu já tenho e amar eles de maneira mais profunda, mais simples, mais bíblica.

Quero aprender a dar o lado esquerdo da face, mesmo quando o tapa do lado direito tenha doído mais do que eu consiga suportar.

Quero aprender a caminhar mais uma milha com aquela pessoa que me irritou e machucou durante a milha que já andamos juntas.

Quero aprender a dar o benefício da dúvida e assumir que aquela pessoa não fez aquilo de propósito.

Quero aprender a respirar fundo e engolir palavras amargas, deixando que seja somente eu quem sinta o gosto ruim delas.

Quero aprender a abraçar quando tenho vontade de abandonar.

Quero aprender a confiar quando tenho vontade de fugir.

Quero aprender a respeitar quando tenho vontade de invadir.

Quero, acima de tudo, aprender que sou a pior das pecadoras, a menos merecedora de graça, e que, mesmo assim, Alguém me amou. Alguém deu a outra face, caminhou a outra milha, abraçou, respeitou e entregou sua vida por mim.

Quero aprender a amar como esse Alguém. Amar incondicionalmente, sem limites. Amar por escolha.

Quero aprender com Jesus, o amor encarnado.

Que 2015 seja leve e alegre, confiando nas promessas dEle.

É o que desejo a todos vocês que acompanham esse blog.

Em Cristo,

%d blogueiros gostam disto: